CÂMARA DE LOBOS - DICIONÁRIO COROGRÁFICO

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z  
 
Entrada > Dicionário > C > Capela de Nossa Senhora da Nazaré
 

 

 

Capela de Nossa Senhora da Nazaré

 

Contrariamente aos dados publicados até Junho de 2004, em jornais e revistas, a freguesia de Câmara de Lobos não teve uma mas sim duas capelas com a invocação de Nossa Senhora da Nazaré, uma mandada erigir, em 1694, por João de Bettencourt Henriques e outra, em 1751, por Maria do Rosário Henriques.

Com efeito, todos quantos se debruçaram sobre o historial da capela de Nossa Senhora da Nazaré, actualmente existente em Câmara de Lobos, fizeram remontar a sua edificação a 1694, tendo como instituidor João de Bettencourt Henriques surgindo a data de 1751, como uma sua reedificação, levada a cabo pela sua proprietária de então, Maria do Rosário Henriques.

Contudo, a ausência de relação de parentesco entre João de Bettencourt Henriques, o instituidor da capela, ou seus descendentes e Maria do Rosário Henriques ou seu marido, bem como as poucas probabilidades e a ausência de documentos comprovativos da transmissão de propriedade, entre eles, conduziriam à suspeita de que algo não estaria correcto no historial da capela.

No esclarecimento desta dúvida viria a ser fundamental a colaboração de Jorge Valdemar Guerra que, ao se debruçar sobre  a documentação original, acabaria por demonstrar a existência, em Câmara de Lobos, não de uma, mas de duas capelas com a invocação de Nossa Senhora da Nazaré. A capela de Nossa Senhora da Nazaré instituída em 1694, por João Bettencourt Henriques, mas que não chegou até aos nossos dias e a actual capela de Nossa Senhora da Nazaré, instituída em 1751, por Maria do Rosário Henriques, viúva  Pedro Bernardes Cordeiro e situada no sítio do Caminho Grande e Preces.

Depois morte de Maria do Rosário Henriques, é provável que a posse do solar e capela tivesse passado para sua filha Maria Teodora da Costa, que, por sua vez, a haveria de transmitir a seu filho Lúcio Francisco de Barros. Com a morte de Lúcio Francisco de Barros, a capela e solar passariam para a posse de seu filho o Morgado João António de Ozório de Menezes, que viria a falecer solteiro e sem geração, no dia 22 de Outubro de 1856. Depois da sua morte, a capela passa para seu sobrinho Francisco Nunes Pereira de Barros (1819-1902), filho do Capitão Francisco Nunes Pereira de Barros e de Vicência Lucina de Meneses e Barros.


 

Pedro Bernardes Cordeiro era filho de Mateus Bernardes e de Beatriz Gonçalves, casados em Câmara de Lobos em 1642 (L.º 310, fls. 124V). Casou no dia 30 de Janeiro de 1703, em Câmara de Lobos, com Maria do Rosário Henriques, filha de António da Costa de Faria e de Antónia Nunes (L.º 311, fls. 185Vº), de quem houve:

1.

1.

1.  Maria Teodora da Costa (Faria). Casou na Igreja de São Sebastião em Câmara de Lobos, em 1728 com Timóteo de Barros Azevedo, filho de António de Barros e de Luzia de Andrade, ambos naturais de Câmara de Lobos. Deste casamento houve:

2.  Lúcio Francisco de Barros. Casou na igreja de São Sebastião, em Câmara de Lobos, no ano de 1783, com Maria Osória Mendonça e Meneses, filha de João Fidélio Mateus e de Maria Osório Meneses, ambos naturais de Câmara de Lobos. Deste casamento houve:

3.   Morgado João António Ozório de Menezes.

3.   Ana Efigénia de Barros, natural de Câmara de Lobos, solteira, sem descendência, falecida por volta de 23 de Julho de 1851, no sítio do Serrado da Adega, onde vivia em companhia de seu irmão, o Morgado João António Ozório de Menezes (CMCL-Reg. Test. L.º 3, pg. 26v).

3.   Vicência Lucina de Menezes e Barros, natural de Câmara de Lobos, falecida, no dia 9 de Maio de 1861, no sítio do Serrado Galego, em Câmara de Lobos, casada em 3 de Maio de 1813 com o Capitão Francisco Nunes Pereira de Barros, falecido aos 82 anos, em Câmara de Lobos, no dia 8 de Agosto de 1865, de quem teve:

4.   Francisco Nunes Pereira de Barros, natural do Estreito de Câmara de Lobos, onde nasceu por volta de 1819 (Câmara de Lobos?) e faleceu no dia 5 de Junho de 1902, casado na igreja do Estreito de Câmara de Lobos, a 25 de Agosto de 1851, com Luísa Maria Teresa Figueira de Barros, falecida a 2 de Outubro de 1907, filha de Joaquim Figueira da Silva Júnior e de Maria Teresa Pinto, ambos naturais da freguesia do Estreito de Câmara de Lobos, de quem teve:

5.   Vicência Lucina de Barros, natural do Estreito de Câmara de Lobos, onde nasceu , no sítio da Panasqueira, no dia 15 de Março de 1856, tendo-se baptizado a 8 de Julho do mesmo ano. Casou, em Câmara de Lobos, no dia 26 de Novembro de 1874, com João Joaquim Gonçalves Henriques, filho do tenente António Joaquim de Freitas Henriques e de Ana Júlia Henriques.

5.   Maria Henriqueta de Barros, que casou em 1869 com António Joaquim de Freitas Henriques, filho do tenente António Joaquim de Freitas Henriques e de Ana Júlia Henriques, de quem teve: Maria Teresa de Barros Henriques, casada em 1908 com João Rodrigues Serrão, tendo falecido sem deixar geração; Matilde Georgina Henriques, casada em 1912 com Diogo Martinho de Freitas Júnior, com geração e Alice Henriqueta Henriques, que casou, em 1920 com José de Barros Júnior .

5.    Francisco Nunes Pereira de Barros Júnior, nascido na freguesia de Câmara de Lobos, por volta de 1861, tendo casado na igreja  do Estreito de Câmara de Lobos com Alice Georgina Figueira da Silva, filha de José Figueira da Silva e de Vitorina Olívia Figueira, naturais da freguesia do Estreito de Câmara de Lobos (ver presidentes da Câmara Municipal de Câmara de Lobos com o nome de José Figueira da Silva e de Francisco Nunes Pereira de Barros Júnior).

4.   José Isidoro Pereira de Barros, que faleceu solteiro e sem descendência.

3.   Vitorina Mendonça (ou Maria) de Barros Rodrigues, falecida a 25 de Outubro de 1871, casada em 1822 com Manuel Rodrigues Serrão, filho de João Rodrigues Serrão e de Ana Baptista (ver presidente da Câmara Municipal de Câmara de Lobos com o nome de Manuel Rodrigues Serrão).

3.   Januário António Ozório de Menezes, natural da freguesia de Câmara de Lobos e residente no sítio de Jesus Maria José, onde nasceu no dia 14 de Setembro de 1793 e falecido por volta de 14 de Fevereiro de 1867. Casou em 1816, na freguesia do Estreito de Câmara de Lobos com Inácia Cândida de Barros, (também conhecida por Inácia Joaquina de Barros) filha de Manuel Gomes Figueira e de Maria de Barros e de quem não teve geração (CMCL-Reg. Testamentos, Lº 3, pg. 40 e Registo paroquial de casamentos do Estreito, Livro 350, fls. 88vº).

3.   Maria Constantina Ozório de Menezes,  nascida, no sítio de Jesus Maria José, em Câmara de Lobos, no dia 13 de Novembro de 1791 e que se haveria de casar com João Pinto de Brito (Livro 313 de registos de casamentos de Câmara de Lobos, fls. 96).

3.   Silvestre António Ozório de Menezes, nascido no sítio de Jesus Maria José, em Câmara de Lobos, no dia 30 de Dezembro de 1787 e que viria a casar com Rita Antónia Correia Henriques (Livro 314 de Registos de casamentos de Câmara de Lobos, fls. 190v.).

3.   Provavelmente José António Ozório de Menezes, que casaria em Câmara de Lobos com Maria Eulália Barraca (Livro 315 de registo de casamentos de Câmara de Lobos, fls. 88).

3.    Vicente (?), nascido no dia 28 de Outubro de 1789.

 

 

 

Câmara de Lobos

Dicionário Corográfico
Edição electrónica

Manuel Pedro Freitas

Câmara de Lobos, sua gente, história e cultura