CÂMARA DE LOBOS - DICIONÁRIO COROGRÁFICO

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z
 
Entrada > Dicionário > C > Capela da Vera Cruz
 

 

Capela da Vera Cruz

 

 

A Capela da Vera Cruz situa-se no sítio da Vera Cruz, extremo oeste da freguesia da Quinta Grande e foi de acordo com os dados disponíveis mandada construir por João Gonçalves Zarco, como de resto dá a entender o autor das Saudades da Terra.

[...] Chegando a um alto sobre Câmara de Lobos, [João Gonçalves Zarco] traçou ali onde se fizesse uma igreja do Espírito Santo. Passado mais abaixo a umas serras muito altas, ali traçou outra igreja da Vera Cruz e todos estes altos tomou para seus herdeiros [1].

Ao longo dos tempos terá sido, no entanto, esta capela sujeita a várias obras de restauro, facto que nos leva a admitir que pouco ou nada existe da primitiva edificação.

Em 1613, por ocasião de uma Visitação é mandada cercar de um muro, mesmo que de pedra tosca afim de evitar que os animais nela entrassem. Noutra Visitação realizada no ano de 1689 o Visitador recomenda que como havia sido feito antigamente, a capela necessitava de algum reparo afim de evitar que o gado que pastava junto dela não entrasse no seu adro como muitas vezes acontecia. Em 1698, numa outra Visitação efectuada, o Visitador ordenava e exortava os fregueses para que dessem esmolas no sentido de reparar a ermida da Vera Cruz por ser de muita veneração desde o princípio da ilha e se encontrar muito danificada, a cujas esmolas daria início o Vigário com a compra do tabuado e mais madeira necessária.

No século XVIII, segundo uma notícia publicada no Jornal da Madeira de 28 de Junho de 1968, esta capela também terá sido objecto de obras de restauro.

Em 1854, de acordo com o Padre Fernando Augusto da Silva, na sua obra Subsídios para a História da Diocese do Funchal, terá sido inteiramente reedificada com a finalidade de servir de igreja paroquial, função essa que, no entanto, nunca viria a ter, uma vez que a sede acabaria por ficar instalada na capela de Nossa Senhora dos Remédios, de localização mais central relativamente à freguesia.

Em 1947 segundo as palavras do padre António Rodrigues Ferreira, pároco, na altura, na Quinta Grande, a capela estaria em estado deplorável, motivo porque inicia esforços no sentido do seu restauro que, de acordo com o Jornal da Madeira de 5 de Março de 1949, terá ocorrido no decurso de 1949, servindo de sede paroquial, a quando das obras realizadas em 1950, na igreja de Nossa Senhora dos Remédios.

Em 1966, através de um ofício[2] datado de 21 de Março, é presente à Câmara Municipal de Câmara de Lobos um requerimento solicitando o restauro da capela, restauro esse que fica concluído em 1968.

Segundo um documento a esse propósito presente na Igreja paroquial da Quinta Grande, as obras tiveram lugar em virtude da capela se encontrar em ruínas, estando a chover-lhe dentro e em muito mau estado. De acordo com o mesmo documento, abriram-se duas pequenas  janelas, à maneira do século XVIII na sacristia e, uma outra janela maior a oriente da capela que dá luz do sol para dentro da sacristia logo ao amanhecer. A antiga porta da sacristia ficava por baixo da actual sineira, onde ficou instalado um pequeno armário que serve de vestuário à capela. Também se colocou na frontaria da capela um beiral em cantaria pois este beiral era simplesmente em cal. O pórtico principal foi restaurado visto estar muito danificada a cantaria fraca, tirada bem próxima da capela, pois existiu ali perto restos de pedra da mesma cor. A sineira ficou tal qual era antigamente, somente subiu mais um pouco para fazer simetria com a janela que lhe fica debaixo. Foi acrescentado o lambris de azulejos e o pavimento em porcelana, bem como o ambão, altar e toda a cantaria de junto ao altar. A talha foi restaurada apenas ficando como era primitivamente [...].

No dia  27 de Junho de 1968 estando concluídas estas obras, foi a capela alvo de bênção solene, presidida pelo Bispo D. João António da Silva Saraiva.

Nesta capela realiza-se anualmente, no dia 3 de Maio se for domingo, ou no domingo seguinte se não o for, a festividade em honra do seu orago.



[1]        In Saudades da Terra.

[2]        CMCL. Processo de restauro da capela da Vera Cruz.

 

Câmara de Lobos

Dicionário Corográfico
Edição electrónica

Manuel Pedro Freitas