CÂMARA DE LOBOS - DICIONÁRIO COROGRÁFICO

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z  
 
Entrada > Dicionário > C > Cemitérios do Concelho de Câmara de Lobos
 

 

 

Cemitérios do concelho de Câmara de Lobos

 

Até 1835, data da fundação do concelho de Câmara de Lobos, nenhuma das suas freguesias possuía cemitério, sendo os mortos, por consequência, enterrados no interior das igrejas ou no respectivo adro, ou ainda em jazigos no interior de alguma das capelas particulares então existentes e, naturalmente reservados aos seus proprietários ou familiares mais próximos.

Depois da criação do concelho, uma das primeiras tarefas dos seus responsáveis seria a de dar cumprimento ao Decreto-lei de 21 de Setembro de 1835 que impunha a obrigatoriedade da construção de um cemitério em cada uma das freguesias.

Esta não era contudo uma tarefa fácil, uma vez que para além dos fracos recursos financeiros das autarquias de então, a escolha dos respectivos locais nem sempre era pacífica. Para além de ter de obedecer a determinados requisitos, a escolha dos locais de implantação, se não encontrava oposição dos proprietários a expropriar, a verdade é que também ninguém queria tais infra-estruturas por perto das suas propriedades ou locais de residência.

Isto aliás explica, de certa forma o atraso, relativamente à legislação, com que foram construídos os cemitérios em cada uma das freguesias do concelho.

Ainda que, se possa utilizar os anos de 1855 e 1856, para referenciar a construção dos cemitérios do Curral das Freiras e do Campanário, na altura pertencente ao concelho de Câmara de Lobos e o ano de 1871, para a construção do cemitério do Estreito de Câmara de Lobos, já relativamente à sede do concelho se levantam alguns problemas.



   

Câmara de Lobos

Dicionário Corográfico
Edição electrónica

Manuel Pedro Freitas

Câmara de Lobos, sua gente, história e cultura