CÂMARA DE LOBOS - DICIONÁRIO COROGRÁFICO

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z
 
Entrada > Dicionário > G > Gata
 

 

 

Gata

 

Peixe da espécie Dalatias licha, genéro Dalatidae, sendo pescado a uma profundidade de 150 a 900 braças. É um esqualo e, tal como a sapata, é popularmente chamado de peixe de lixa ou de azeite. É também,  tal como a sapata conhecida por bacalhau de Câmara de Lobos dada a sua semelhança, depois de seco (zangalha), com esta espécie e ao facto de ser Câmara de Lobos o seu único local de secagem e preparação.

Vivendo em águas profundas, a sua pesca é feita a quando da pesca da espada, peixe de que se alimenta. Depois de pescada, é transportada para Câmara de Lobos, onde lhe é retirada a pele e depois de aberta, colocada a secar, sendo depois utilizada na culinária, habitualmente como acompanhamento de bebidas ou em sandes. A sua pele, hoje sem qualquer utilidade, era antes, dada a sua resistência e aspereza, utilizada pelos marceneiros para lixar madeira e, também pelos sapateiros, como lixa para fazer rebaixar lateralmente as solas de cabedal ou borracha com que eram confeccionados os sapatos e botas. Sem aceitação no mercado, em estado de fresco, este peixe é no entanto consumido no estado de seco e salgado como se de bacalhau se tratasse.

Depois de pescado, é-lhe extraída a pele, escalado longitudinalmente e salgado. Depois de permanecer dois ou três dias na salga, é lavado superficialmente com água do mar e colocado a secar.

O óleo extraído dos seus fígados era também utilizado para alimentar os candeeiros ou fagotes de pesca. Outrora era também empregue na iluminação doméstica e também, quando aplicado na parte superior das suas orelhas, para preservar os suínos de mordeduras de moscas [1], [2], [3].

 



[1]        Elucidário Madeirense: 80; 284-285.

[2]        Ilhas de Zarco, 67-84.

[3]        NUNES, A Abreu. Peixes da Madeira. Junta Geral do Distrito Autónomo do Funchal, Funchal, 2ª ed., 1974, pág. 142.

 

 

Câmara de Lobos

Dicionário Corográfico
Edição electrónica

Manuel Pedro Freitas