CÂMARA DE LOBOS - DICIONÁRIO COROGRÁFICO

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z  
 
Entrada > Dicionário > P > Paróquia do Carmo
 

 

 

Paróquia do Carmo


CRIAÇÃO, ORAGO E SEDE

A paróquia do Carmo tem como orago Nossa Senhora do Carmo e situa-se na freguesia de Câmara de Lobos.
Foi criada por alvará episcopal de 24 de Novembro de 1960 e instalada a 1 de Janeiro de 1961. Instalada provisoriamente na Capela de Nossa Senhora das Preces, a sede paroquial viria mais tarde a ser transferia para a
igreja de Nossa Senhora do Carmo, benzida a 13 de Dezembro de 1969 e dedicada ao seu orago, Nossa Senhora do Carmo, a 16 de Julho de 1986.

Relativamente à origem do orago desta paróquia, segundo o Jornal da Madeira de 8 de Julho de 2001,  a quando da preparação do decreto que então divide as paróquias, cria-se a Paróquia do Carmo, invocando a existência de muitos carmelitas nesta zona, inclusive algumas baptizadas com o nome de Maria do Carmo, vivendo a mística carmelita, totalmente dedicadas à evangelização. Por sugestão do Pe. Abel Ferreira, então coadjutor da paróquia de Câmara de Lobos e logo primeiro Pároco de Santa Cecília, não só se designa a nova paróquia desta zona como Paróquia do Carmo, senão que se declara Nossa Senhora do Carmo, como sua excelsa Padroeira

 

LIMITES
O seu limite, a Norte, segue a linha de água da Levada do Norte até ao seu cruzamento com a Ribeira do Garcia. Desce pela linha de água desde a Ribeira até à Caldeira. Segue pelo eixo do caminho Municipal até Vista da Caldeira, onde entra na Levada das Preces. Continua por esta até ao Limoeiro. Sobe pela linha de água do Ribeiro do Caminho Grande e do Ribeiro de Alforra até ao limite sul do Pedregal. Prossegue, para leste, por uma linha recta que vai do fundo do referido ribeiro até ao caminho municipal. Atravessa-o e segue pela linha divisória entre o sítio das Heras e o sítio do Caminho Grande e Preces. Desde, no limite deste sítio, por uma linha recta, ao caminho municipal da Ribeira da Caixa e avança pelo eixo deste até ao seu cruzamento com a Ribeira da Caixa.
O seu limite sul é o oceano Atlântico.
O seu limite Leste segue uma linha que parte da praia dos Regos, pelas fraldas da Rocha sobranceira ao sítio de Belém e da Fonte da Rocha, até se encontrar com o vereda da Fonte da Rocha. Desce pelo eixo desta até à ribeira do Vigário, subindo pela linha de água desta até ao caminho da Ribeira da Caixa.
O seu limite Oeste segue uma linha que parte da rocha do Cabo Girão, pelo limite leste do sítio do Facho, até à levada do Norte.

Fazem parte da paróquia os sítios Rancho, Caldeira, Pedregal, Heras, Ribeira de Alforra e Fonte Garcia, Caminho Grande e Ribeira de Alforra, Caminho Grande e Preces, Fonte da Rocha, Serrado, Serrado do Mar, Terço, Lombo do Terço e Ribeira da Caixa
Na altura da sua criação, a 1 de Janeiro de 1961, possuía 3700 almas, ascendendo a cerca de 7 mil, no ano de 2004.

 

CAPELAS
A paróquia do Carmo integra na sua área geográfica quatro capelas: a
Capela de Nossa Senhora das Preces, a Capela de Nossa Senhora da Piedade, situada no Convento das Irmãs Clarissas, no sítio da Caldeira, a Capela de São Cândido e a Capela de Nossa Senhora Nazaré.

 

 

CENTRO SOCIAL E PAROQUIAL DO CARMO

Possui esta paróquia, desde 1992, um Centro Social e Paroquial, que integra um Jardim de Infância, um Centro de Actividades de Tempos Livres e um Centro de Dia, prevendo-se para 2005 o início das obras destinadas à construção de um Lar para Idosos, com capacidade para 36 camas.

 

 

PÁROCOS
Foi seu primeiro pároco, o
Padre António Alberto de Sousa
. Esteve à frente dos destinos da paróquia do Carmo durante 10 anos, ou seja até 1971. Em 1961 começou do nada a Paróquia do Carmo, com sede provisória na Capela das Preces. A par da comunidade espiritual que cedo começou a congregar, a sua acção incidiu imediatamente na compra do terreno onde hoje se encontram a residência e a igreja paroquiais. Veio imediatamente o projecto de arquitectura, da autoria de Marcelo Costa, que tratou de identificar a igreja com o barco, instrumento de trabalho da maioria dos homens em Câmara de Lobos e pelo facto da Igreja chamar-se a Barca de Pedro.
Surgiram então as construções. Primeiro a Casa Paroquial, totalmente terminada, logo o Salão polivalente e depois a estrutura do templo, com as suas paredes e a placa do tecto.

O padre Adelino Macedo Costa terá assumido os destinos da paróquia por volta de 1976, onde se manteve até 2002. Com efeito, em Setembro de 2002, o padre Adelino Macedo Costa viria a abandonar a paróquia do Carmo para assumir responsabilidades paroquiais no Campanário, em conjunto com a da Quinta Grande, paróquia esta que já paroquiava em conjunto com a do Carmo, desde 23 de Setembro de 2001 (JM 23 de Setembro de 2001) (DN 28 de Setembro de 2002). Em 2002, na altura da sua despedida, um paroquiano dava na edição do Diário de Notícias de 5 de Outubro de 2002, a seguinte opinião: "Há precisamente 26 anos, à paróquia do Carmo - Câmara de Lobos, chegava um jovem sacerdote, cheio de vida e dinâmica. Olhou em redor. Havia muito trabalho a fazer. Arregaçou as mangas, e pôs-se à frente de um grande e nobre projecto: a construção da Igreja Paroquial e a evangelização daquela porção de Povo de Deus que lhe estava confiado. Revelou uma preocupação constante para com as crianças e jovens, reorganizando a catequese e mais tarde a criação de ATL e pré-escolar. Uma atenção muito especial no campo sócio-caritativo, com a criação do Centro Social e Paroquial. Um olhar atento para o Património Sacro, com grandes reparações nas Capelas e melhorando o espaço físico da Igreja Paroquial. Acções de Formação para todo o Povo de Deus, sensibilizando os leigos para uma participação mais activa na Igreja. Hoje pode dizer: Senhor, missão cumprida. Desejamos-lhe um profícuo apostolado na nova seara que lhe foi confiada. O Homem parte, mas a obra fica".
Em sua substituição viria a ser nomeado para pároco do Carmo, o padre António Ramos Teixeira da Silva, cargo onde se manteria até Setembro de 2004. Com efeito, em nota pastoral de 25 de Setembro de 2004, o padre António dos Ramos Teixeira da Silva, a seu pedido, deveria sair da paróquia do Carmo, para a do Piquinho e Preces, em Machico, sendo substituído pelo padre Agostinho Bonifácio Sousa Nóbrega dos Santos.

 

Câmara de Lobos

Dicionário Corográfico
Edição electrónica

Manuel Pedro Freitas

Câmara de Lobos, sua gente, história e cultura