CÂMARA DE LOBOS - DICIONÁRIO COROGRÁFICO

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z  
 
Entrada > Dicionário > P > Praça da Autonomia
 

Documento 1

 

 

Praça da Autonomia

 

Denominação dada por deliberação camarária de 11 de Janeiro de 2007 ao Largo da República, em Câmara de Lobos, na sequência de importantes obras ai realizadas no decurso de 2005/2006 e inauguradas a 20 de Dezembro de 2006.

 

Câmara Municipal de Câmara de Lobos
Edital Edital n.º 0003.07.ED.AG
Deliberações da Sessão Ordinária da Câmara Municipal

Aprovou por maioria e em minuta, com a abstenção do Partido Socialista, a Proposta referência GPR-PR-001-2007 de 11 de Janeiro de 2007, relativa à alteração da denominação toponímica do Largo da República para Praça da Autonomia, que abaixo se transcreve:
 

Considerando que as autarquias locais, através dos seus órgãos representativos, visam a prossecução de interesses próprios das populações respectivas, conforme o nº 2 do artigo 235º da Constituição da República Portuguesa;
 

Considerando que de acordo com a Lei vigente, compete às Câmaras Municipais a denominação das ruas e praças;

Considerando que o até agora denominado Largo da República é a mais importante praça pública da cidade de Câmara de Lobos;
 

Considerando que a referida praça tem sido um espaço sujeito a várias alterações ao longo dos tempos, quer na sua organização urbanística, quer na sua designação toponímica.

 

Considerando que o actual Largo da República primitivamente foi denominada de passeio público, depois de Redondo e ainda de Largo 28 de Maio;
 

Considerando que a praça foi recentemente alvo de uma grande renovação urbanística promovida pelo Governo Regional da Região Autónoma da Madeira, inaugurada a 20 de Dezembro de 2006, por sua Exa. O Senhor Presidente do Governo Regional da Madeira, Dr. Alberto João Jardim;

Considerando que esta intervenção urbanística se caracteriza por traços de modernidade, contemporaneidade arquitectónica e paisagística e novo figurino organizacional:
 

Considerando que é comummente entendido por Largo um espaço urbano que assume a função de nó de distribuição de tráfego e que tem como características principais a presença de árvores, fontes, cruzeiros e pelourinhos; e que a renovação agora operada aproxima mais este espaço a uma Praça, ou seja a um espaço urbano que reúne valores simbólicos e artísticos, confinado por edificações de uso público intenso, com predomínio de áreas pavimentadas, possuindo, em regra, estátuas ou fontes de embelezamento e enquadramento de edifícios;
 

Considerando que a designação dos lugares deve estar intimamente relacionada com os valores culturais das populações, reflectindo e perpetuando a importância histórica de factos ou êxitos;

Considerando que a nova obra contribui fortemente para a alteração de um paradigma e de uma imagem que se quer cada vez mais próximo de uma figuração de uma cidade organizada, moderna, desenvolvida e dinâmica, referencial do sistema político-administrativo que constitucionalmente vigora na Madeira desde 1976: a Autonomia Política Administrativa; Tenho a honra de propor que, no exercício da responsabilidade e competência que a lei comete à Câmara Municipal, nos termos previstos na alínea v) do nº 1 do artigo 64º da Lei nº 169/99, de 18 de Setembro, actualizada pela Lei nº 5-A/2002, de 11 de Janeiro, em conjugação com o Regulamento Municipal de Toponímia e Numeração Policial do Concelho de Câmara de Lobos, nos termos previstos no artigo 1º e artigo 9º, a Câmara Municipal delibere no sentido de se proceder à alteração da denominação toponímica do Largo da República para Praça da Autonomia, e que esta seja uma homenagem da população da Câmara de Lobos para com o regime político-administrativo que propiciou os níveis de desenvolvimento, crescimento e progresso operado na Madeira nos últimos 30 anos."


Aprovou por maioria, com a abstenção do Partido Socialista, a Proposta referência GPR-PR-002-2007 de 11 de Janeiro de 2007, relativa à consulta e convite de três escultores para que procedam à criação e elaboração de uma escultura ou motivo escultórico a ser colocado na Praça da Autonomia, que abaixo se transcreve:
 

Considerando que a Câmara Municipal propôs-se alterar a denominação do Largo da República para Praça da Autonomia, a fim de perpetuar a experiência políticoadministrativa vivida pela sociedade madeirense, e camaralobense, nos últimos 30 anos;
 

Considerando que a referida praça, recentemente remodelada e ampliada, oferece espaços que podem e devem ser complementados com motivos de arte escultórica;

Considerando que as praças públicas são entendidas e etimologicamente classificadas como espaços urbanos que reúnem valores simbólicos e artísticos, com predomínio de áreas pavimentadas, possuindo, em regra, estátuas ou outras peças de arte ou motivos escultóricos;
 

Considerando que a nova praça, por força não só da sua renovação, mas também devido à novel denominação, pode e deve ser complementada com uma obra escultórica alusiva a essa mesma toponomástica;
 

Tenho a honra de propor que, no exercício da responsabilidade e competência que a lei comete à Câmara Municipal, esta delibere no sentido de se proceder à consulta e convite de três escultores para que procedam à criação e elaboração de uma escultura ou motivo escultórico a ser colocado na Praça da Autonomia, alusivo ao motivo que está na base do seu topónimo: A Autonomia Política e Administrativa da Madeira.

Câmara de Lobos

Dicionário Corográfico
Edição electrónica

Manuel Pedro Freitas

Câmara de Lobos, sua gente, história e cultura