CÂMARA DE LOBOS - DICIONÁRIO COROGRÁFICO

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z  
 
Entrada > Dicionário > R > Regedor
 

 

 

Regedor

 

Antiga autoridade administrativa de uma freguesia. Segundo o Elucidário Madeirense, os regedores existiram na Madeira desde 1838. Antes dos regedores, tinham existido os comissários de paróquia, nomeados em 1834. Após o 25 de Abril de 1974, com a aprovação da nova constituição da república, o cargo de regedor viria a dar lugar á Junta de Freguesia.  Ainda que a Junta de freguesia seja um órgão colegial, constituído por um presidente, um secretário, um tesoureiro e vogais, a figura do regedor acabaria por ser transferida para o presidente da Junta de Freguesia, sendo, por consequência o seu equivalente no novo regime constitucional.

Instalado a 4 de Outubro de 1835, muitos foram as pessoas que, em cada uma das suas freguesias constituintes exerceram o cargo de regedor. A este propósito recorde-se que na altura da criação do concelho de Câmara de Lobos, faziam parte dele as freguesias de Câmara de Lobos, do Estreito de Câmara de Lobos, do Curral das Freiras e do Campanário. Em 1840, a partir de alguns sítios das freguesias de Câmara de Lobos e do Campanário surge a freguesia da Quinta Grande, sendo desta forma o concelho, acrescido em mais uma freguesia. Em 1914, o Campanário deixa de fazer parte do concelho de Câmara de Lobos para constituir juntamente com as freguesias da Ribeira Brava, Tabúa e Serra de Água, o concelho da Ribeira Brava. Em 1996, em consequência da desanexação das zonas altas da freguesia do Estreito de Câmara de Lobos, é criada a freguesia do Jardim da Serra que integra o concelho de Câmara de Lobos e que fica assim constituído pelas freguesias de Câmara de Lobos, Estreito de Câmara de Lobos, Curral das Freiras, Quinta Grande e Jardim da Serra.

 

Regedores da freguesia de Câmara de Lobos

Segundo o Jornal da Madeira de 27 de Julho de 1952 José Quirino de Caires exercia na altura e desde 1908 o cargo de regedor da freguesia de Câmara de Lobos.

António Leandro dos Reis Gonçalves terá muito provavelmente sucedido a José Quintino de Caires. Foi titular do cargo durante quase 30 anos e foi o último regedor de Câmara de Lobos.

 

Regedores da freguesia da Quinta Grande

Em 1906, era regedor das freguesias do Campanário e da Quinta Grande, Manuel de Ascensão Lino, que no dia 23 de Março desse ano solicitou a sua exoneração do cargo [1]. A 16 de Junho de 1921 foi nomeado regedor da Quinta Grande António Rodrigues da Silva. Em 1924 era regedor da Quinta Grande José Teodoro Pereira, que também era o responsável pelo correio. De acordo com o Jornal da Madeira de 8 de Fevereiro de 1925 havia chegado de Moçamedes António Rodrigues da Silva ex-regedor da Quinta Grande. De acordo com o Jornal da Madeira de 1 de Agosto de 1925 era regedor da Quinta Grande José Rodrigues Mendes, casado com Leonor Barradas Mendes, cargo que, de acordo com o Jornal de 11 de Outubro de 1931, nesta altura ainda exercia. Em 24 de Março de 1947 era regedor da Quinta Grande José de Sousa Júnior. José de Sousa não só se manteria no cargo durante cerca de 42 anos, como viria a ser o segundo presidente da Junta de freguesia da Quinta Grande

 

Regedores da freguesia do Estreito de Câmara de Lobos

Álvaro Nunes Pereira Pinto era regedor a 12 de  Fevereiro de 1857. António Jacinto Macedo, que tomou posse do cargo em 19 de Janeiro de 1860; José Francisco de Barros que tomou posse do cargo em 8 de Fevereiro de 1861; António Jacinto Macedo que tomou posse do cargo em 13 de Janeiro de 1862; José Francisco de Barros que tomou posse em 23 de Fevereiro de 1863; António de Abreu Macedo que tomou posse do cargo em 4 de Abril de 1864; António Jacinto Macedo que tomou posse do cargo em  9 de Janeiro de 1866; António Jacinto Macedo que tomou posse do cargo em 7 de Março de 1870; De acordo com a sessão camarária de 17 de Outubro de 1900, Francisco Teodoro da Silva, era guarda do cemitério do Estreito foi nomeado regedor da freguesia do Estreito; Maximiano Francisco de Barros que tomou posse do cargo em 4 de Junho de 1870. João Fernandes era regedor da freguesia do Estreito em 1924, encontrando-se na altura gravemente doente [2]. Em Agosto de 1937 João Albino de Barros era regedor [3], cargo onde se manteve, muito provavelmente sem interrupção até à instalação da Junta de Freguesia, estrutura que viria substituir o cargo de regedor.

 

Regedores da freguesia do Curral das Freiras

A 23 de Janeiro de 1901, José Militão Camacho era regedor do Curral das Freiras. Aliás, de acordo com a acta da sessão camarária de 15 de Maio de 1901, José Militão era regedor do Curral das Freiras desde 1870, ocupando tal cargo ainda a 13 de Fevereiro de 1901, altura em que pede a sua exoneração para se candidatar a guarda do cemitério, uma vez que tais cargos eram incompatíveis.

Segundo o Diário de Noticias de 11 de Agosto de 1937 era regedor do Curral das Freiras Manuel Francisco Pinto de Abreu.

O seu sucessor terá sido muito provavelmente Manuel Fernandes Rebolo Júnior que terá exercido o cargo durante cerca de 30 anos. O último regedor do Curral das Freiras foi João Figueira da Silva.


 


[1]      Diário Popular, 24 de Março de 1906.

[2]      Jornal da Madeira, 6 de Novembro de 1924.

[3]      Diário da Madeira de 13 de Agosto de 1937.


 

Câmara de Lobos

Dicionário Corográfico
Edição electrónica

Manuel Pedro Freitas

Câmara de Lobos, sua gente, história e cultura


1